googleglass_canal

No futuro, as vibrações ósseas vão substituir as suas passwords

Um grupo de cientistas alemães desenvolveu um método de autenticação que utiliza as vibrações ósseas do crânio para validar log-ins. A tecnologia está a ser “limada” para ser introduzida nos Google Glass, mas o objetivo é levá-la aos smartphones.

A segurança na tecnologia é um sector onde a investigação e a inovação não acaba. À medida que é condensada cada vez mais informação nos gadgets que nos acompanham diariamente, é necessário que os sistemas que a protegem sejam gradualmente afinados e cada vez mais seguros.

As tendências tornam facilmente observáveis essas evoluções. Se há uns anos apenas podíamos proteger contas e smartphones com simples passwords e códigos pin, atualmente, os acessos através da validação de credenciais biométricas tornaram-se comuns. Nestes casos, a voz, os olhos e, de forma mais comum, as impressões digitais, têm sido aproveitados para assegurar a privacidade dos utilizadores. Neste âmbito, a Universidade de Sarre e a Universidade de Estugarda desenvolveram um novo sistema de reconhecimento biométrico que utiliza vibrações cranianas para efetivar um log-in. O sistema, a que a equipa de desenvolvimento chamou SkullConduct, ainda só está disponível no Google Glass.

Apesar deste wearable não ter chegado aos consumidores da forma que se previa, a aposta dos investigadores justifica-se com a utilização profissional que este gadget tem tido na área da investigação. “Computadores oculares como o Google Glass já estão a ser usados em empresas e universidades para ajudar em experiências na área da física, em laboratórios químicos, no registo de exames médicos e na assistência a cirurgias”, afirmou Andreas Bulling, cientista informático desta equipa de desenvolvimento.

Este sistema pretende proteger os conteúdos armazenados nestes aparelhos que, no âmbito em que têm sido utilizados, reúnem muita informação sensível e privada que, na maior parte das vezes, se pretende manter privada.

Outra das conveniências de se utilizar o Google Glass na aplicação deste sistema, é a capacidade que este tem para captar as vibrações ósseas do utilizador através da sua armação. “Como o crânio é singular, as vibrações mudam de maneira a que cada pessoa tenha a sua. Consequentemente, nós podemos usá-las como um identificador biométrico”, diz Bulling.

O algoritmo desenvolvido permite que se transformem estas vibrações numa chave biométrica singular, tal qual uma impressão digital. E como estamos a falar da aplicação a wearables, este método é também automático; assim que se colocam os óculos, a armação começa imediatamente a captar vibrações encefálicas para validar, ou não, a identidade do utilizador.

Apesar dos resultados positivos obtidos nos primeiros testes, em que o SkullConduct validou com uma taxa de precisão 97% das tentativas conduzidas, o ambiente controlado em que decorreram ainda não permite aferir se o sistema funciona quando aplicado em situações do mundo real, onde as vibrações provenientes de outras fontes podem confundir o algoritmo. Afiná-lo para esse contexto será o próximo passo.

No futuro, os cientistas esperam levar este sistema para os smartphones.

 

Fonte: http://tek.sapo.pt/

Sem comentários

Deixe uma resposta

*

*

336x280ad

Artigos Populares